quinta-feira, 18 de maio de 2017

A casa das Minas

Quando vou à minha terra, a primeira coisa que gosto de fazer é dar uma volta pelo jardim e pelo terreno, ver o que está plantado, o que cresceu, floriu, nasceu, que árvore deu frutos e o que está por amadurecer.  Geralmente vou com a minha mãe e que me disse: "já viste o banquinho que a Rosália fez? Diz que te podes sentar aqui a fazer os teus desenhos." Era um banco corrido em redor do tronco de um pinheiro manso, o local ideal para desenhar a casa, quase engolida de tanto verde.


E aqui me sentei. A tarde estava com uma chuvinha molha tolos persistente mas os ramos densos do pinheiro protegiam-me bem, só se ouvia o som do silêncio com uma variedade de chilreares que nunca soube identificar mas que deram um ambiente de paraíso aquele momento. Uma neblina ao fundo, fundia os montes com o céu. Do lado direito, um pinheiro manso que foi plantado para ser árvore de Natal e que agora está mais de duas vezes maior que a casa e a meio, uma estrutura metálica muito alta, que foi a solução para conseguirmos ver televisão no tempo em que só havia 3 canais: a RTP1, RTP2 e TVE :)